quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Ter 15 anos...

Quando estamos na idade de 15 anos aproximadamente sempre
temos reações diferentes a todo tipo de coisa...

Sempre estamos querendo uma aventura, sempre temos paqueras,
vontades, fazemos muitas descobertas, temos muita amizades!

Mais o que mais me chama atenção é que é nesse periodo da vida
que nós adolenscentes consideramos um tédio, é que descobrimos
a nossa personalidade que sim é claro vem as evidencias desde
crianças, mais é nessa época que descobrimos e movemos céus e terra
para virarmos aquilo que acreditamos ser legal... mas com os "problemas"
do dia-a-dia, é que revelamos a nós e aos outros quem somos,
e no final vemos que ser assim sempre vai ter lados negativos,
mas, mais do que isso temos muito mais qualidades do que imaginavamos!

E uma pergunta de adolescente que não me deixa descançar:
Vivi todo tempo com pessoas maravolhosas que me cercavam,
mais chegou a hora de crescer!
Ao me sentir sozinha penso, quem vai ser a pessoa que me
acompanhará a padaria, a escola, ao trabalho, ao médico
e em muitos outros lugares...? Será meu irmão, irmã... uma amiga
de infancia, visinha? Mais logo percebo quem vai conviver comigo
e me agüentar? Todos já certamente me decepcionaram!
Mas então vem a realidade terei que aprender a me virar sozinha,
e então quando conhecer a pessoa com quem os seus defeitos não me
atinja, a pessoa com certeza não será perfeita!... mais ela saberá conviver
com meus defeitos e eu com o dela!
Ai sim será a pessoa certa para me ajudar a percorrer o caminho,
onde ela não sentirá que esta apenas me fazendo um favor mais sinta
vontade de estar comigo! onde é que eu esteja, e eu também sinta isso...
Essa é a pessoa que procuro e que considero a pessoa certa para me ajudar.

Um comentário:

Eternamente.. disse...

Quando estava lendo aquela parte em que você fala sobre lutar pelo que quer, me lembrei de uma frase que diz: Quem não luta pelo que quer, não merece o que deseja.
Todo mundo um dia tem que passar por isso, calma você está só perdendo afinidade com as pessoas, depois disso vem a parte de ver os que ficaram indo embora.