segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

O Vendedor de Passados - José Eduardo Agualusa XVI

" Sou animista. Sempre fui, mas só há pouco isso me ocorreu. Passe-se com a alma algo semelhante ao que acontece à água: flui. Hoje está um rio. Amanhã estará mar. A água toma a forma do recipiente. Dentro de uma garrafa parece uma garrafa. Porém, não é uma garrafa. Eulálio será sempre Eulálio, quer encarne (em carne), quer em peixe. Vem-me à memória a imagem a preto e branco de Martin Luther King discursando à multidão: eu tive um sonho. Ele deveria ter dito antes: eu fiz um sonho. Há alguma diferença, pensando bem, entre ter um sonho ou fazer um sonho.
Eu fiz um sonho.
Lisboa, 13 de fevereiro de 2004 "

Nenhum comentário: